em Dicas

Alguns tutores sentem um pouco de culpa por prenderem seus gatos em casa a fim de os pouparem dos perigos das ruas. Mas essa condição pode ser amenizada treinando o gatinho para passear ao ar livre e escolhendo os lugares certos, que não ofereçam risco nem estresse aos pets.

Em primeiro lugar é preciso esclarecer que o jeito de levar o gato para um passeio é totalmente diferente da caminhada com um cachorro, a começar pela coleira. Aquela coleirinha bonita, com material elástico para impedir que o gatinho se enforque, funciona bem em casa, mas não na rua porque na hora de um susto o gato pode conseguir soltar a cabecinha e fugir.

Por isso, o peitoral é o mais indicado para o passeio felino tanto pela segurança quanto pelo conforto que oferece ao animal. No entanto, o peitoral precisa ficar bem ajustado ao corpo do gato sem apertá-lo e, antes de ir para a rua,  é necessário respeitar algumas etapas.

O pet precisa usar esse acessório por um tempo somente dentro de casa. Duas horas por dia durante uma semana já costuma ser o suficiente para o gatinho se acostumar.

É muito comum os gatos começarem a andar para trás logo nas primeiras tentativas de uso do peitoral. Alguns realmente ficam incomodados e os tutores não devem insistir. Mas há gatos que, apesar da “marcha à ré” inicial, acabam se acostumando bem.

Especialistas em comportamento felino sugerem que o peitoral seja colocado no gato antes de dar a ele sua refeição preferida ou na hora de uma brincadeira para que assim ele associe o acessório a um momento prazeroso.

Quando o uso do peitoral é estimulado no gato desde filhote costuma ser bem mais fácil sua adaptação, contudo, muitos gatos adultos também podem aceitar, como é o caso da gatinha Ághata (foto de abertura e abaixo), que só começou a usar peitoral aos cinco anos de idade sem oferecer qualquer resistência.

O mais importante é respeitar a personalidade do felino. Alguns não gostarão de usar peitoral e nem mesmo de sair na rua. Já outros podem desfrutar com alegria de cada momentinho do passeio cheirando plantinhas e se distraindo com a paisagem.

Não existem raças mais ou menos propensas a gostar de passeios. A reação tem a ver com o histórico e perfil do animal, ou seja, se é, por exemplo, tranquilo com estranhos, curioso e explorador ou se o temperamento é assustado, arredio e traumatizado.

Depois de acostumar o gato a usar peitoral dentro de casa, o próximo passo é passear no quintal da frente da casa ou área livre do prédio para ver como ele se comporta e também ir se habituando aos ruídos das ruas e de pessoas estranhas.

Quando o gato mostrar sinais de que já pode atravessar o portão de casa, lembre-se que ele não é como um cão que adora longas caminhadas. Normalmente, o gato gosta de andar pouco, devagar e ir parando toda hora para examinar tudo que tem no caminho.

Jamais force o gatinho a andar de peitoral próximo de cães ainda que esses sejam mansos. Não o leve em parques frequentados por cães. E se um cão surgir de repente é aconselhável pegar o gatinho no colo.

Se além do quarteirão da sua casa você achar que pode levar o gato a uma praça de pouco movimento, por exemplo, é aconselhável levar a casinha de transporte junto para protegê-lo no caso de alguma emergência com outros animais. E fique de olho no chão quente para não ferir as “almofadinhas” das patinhas.

Outra coisa importante de destacar está no livro “Gato – Manual do Proprietário” do veterinário americano David Brunner: é fundamental deixar o gato “dirigir o passeio” e “nunca o puxar” porque, conforme dito acima, o gato tem um jeito mais “zen” de se distrair ao ar livre. Alguns simplesmente gostam de deitar na grama e ficar ali por horas sem fazer nada.

Os passeios felinos, quando obedecendo essas orientações básicas e, principalmente, estando o gato interessado em passear dessa forma, podem ser benéficos para a saúde física e mental desses animais.  O exercício físico diário faz bem ao corpo e os estímulos visuais, sonoros e olfativos fazem bem ao campo emocional.

Importante: nenhum animal deve passear na rua sem antes estar com as vacinas em dia. Na Clínica Integrativa Pet, de SP (Perdizes), os tutores são devidamente orientados sobre todas as vacinas necessárias para manter a saúde do gatinho protegida.

 

Postagens Recomendadas
Comentários
  • Vera lucia
    Responder

    Moro num prédio que todos os dias vejo um dos moradores passeando com um gatinho bem jovem , ele está ensinando
    ele a passear, já está bem acostumado, ele agora é o dono também

Deixe uma resposta para Vera lucia Cancelar resposta

× Como posso te ajudar?