em Tratamentos

Um dos maiores temores que perseguem os tutores de gatos é o fantasma da insuficiência renal aguda ou crônica. A DRC – Doença Renal Crônica, atinge um a cada três gatos segundo o CRMV (Conselho Regional de Medicina Veterinária de SP). Nos cães a incidência é bem menor: um a cada oito animais desenvolvem a doença.

Os tutores de gatos encaram essa doença como um verdadeiro pesadelo porque além dos vários sintomas que vão minguando as forças dos bichinhos, principalmente a falta de apetite e os frequentes vômitos, os tratamentos são longos e exigem um monitoramento constante para evitar recaídas severas.

Em síntese, a doença renal se manifesta quando os rins têm sua função prejudicada e não conseguem mais filtrar o sangue e eliminar as toxinas.  A DRC não tem cura, mas um tratamento bem orientado pode garantir a qualidade de vida do animal e minimizar a evolução da doença. E quanto mais abrangente, pouco invasivo e natural for o suporte, mais chances o animal tem de seguir com uma vida quase normal.  Além do tratamento tradicional, terapias complementares podem ser boas aliadas.

Trilhando esse caminho, a veterinária Viviane Reis buscou mais conhecimento nas áreas de Homeopatia, Ozonioterapia, Nutracêuticos, Alimentação Natural, Acupuntura, Fitoterapia Chinesa  e Florais Frequenciais. Atua como “veterinária integrativa” desde 2015 e trata insuficiência renal com base na análise geral do animal.

Acompanhe a entrevista:

Quais as principais terapias complementares para insuficiência renal em gatos?

As principais terapias que utilizo são homeopatia, acupuntura, fitoterapia, nutracêuticos e alimentação natural (AN) dependendo do caso e da aceitação do pet. Tem gatos que após muito tempo comendo apenas ração não aceitam a alimentação natural e, nesse caso, o mais importante é o animal comer, mesmo que seja ração. Importante é buscar orientação veterinária, pois, dependendo do grau de insuficiência renal é de suma importância mudar a dieta independente de qual for, ração ou AN.

Qual o efeito esperado das terapias complementares para amenizar ou mesmo cessar os sintomas da doença?

O tratamento com homeopatia leva a melhora dos sintomas e a um bem-estar geral. Em casos mais brandos pode haver até diminuição da ureia e creatinina. Mas não é isso que buscamos em si, o que queremos com o tratamento integrativo é melhora dos sintomas e qualidade de vida. Óbvio que é importante fazer todos os exames para saber em qual estágio a doença renal se encontra para estabelecer o melhor tratamento.

A acupuntura e a fitoterapia chinesa trabalham mais a parte energética, visando reestabelecer o equilíbrio do organismo. Ajudam a melhorar anorexia, apatia, vômitos. Portanto atuam no bem-estar do paciente. Os nutracêuticos podem ser prescritos devido aos efeitos antioxidantes e porque podem baixar os níveis de fósforo que, em animais renais, geralmente estão elevados.

Alimentação natural e nutracêuticos ajudam? É possível fazer dieta caseira com pouca proteína e fósforo considerados agravantes dos problemas renais?

A alimentação natural é um dos caminhos que pode ser seguido, mas não são todos os gatos que aceitam depois de longos anos comendo ração. É importante pontuar que a diminuição de proteína e fósforo da dieta devem ocorrer de acordo com exames e estágio da doença. Hoje em dia já se discute qual o momento certo de entrar com uma dieta renal, qual o melhor estágio, já que se trata de uma espécie carnívora com necessidade proteica.

Mas sim, dá para fazer uma alimentação natural voltada para animais renais e para suas fases de acordo com os gostos deles. Mas deve haver um acompanhamento rigoroso do veterinário e do nutricionista, pois o balanceamento correto da dieta é fundamental para aumentar a expectativa de vida.

A alimentação natural pode ser oferecida junto com a ingestão de rações renais?

Contanto que seja de forma balanceada pode haver fornecimento de ambas. O que não pode é o que muitos tutores fazem: dão ração renal, gastam um dinheirão com elas e acrescentam frango/carne. Quando fazem isso por conta própria estão aumentando teor de proteína e de fósforo. A ração renal tem menos proteína e menos fósforo. Logo há um desperdício de dinheiro e um prejuízo para a saúde do animal. Portanto, esse tipo de coisa só deve ser feita sob orientação do veterinário, nunca por conta própria.

Nos casos de crise, quando o animal sofre uma descompensação da doença, perde peso rapidamente e deixa de comer, qual terapia complementar é mais indicada?

No caso de descompensação deve-se fazer todos os exames e averiguar o que levou a isso. O aumento de fósforo? A baixa de potássio? Aumento da ureia e da creatinina? Existem diversos fatores a serem pensados e para cada um deles há um tratamento a ser seguido. A fluidoterapia é importante quando o animal está desidratado, para repor líquido. Geralmente isso ocorre quando os animais estão vomitando ou urinando muito, mas não ingerem água suficiente para se manterem hidratados. No caso de desidratação leve pode ser realizada a fluidoterapia com soro subcutâneo, mas desidratação severa requer internação. Em todos os casos é sempre importante dosar eletrólitos e repô-los corretamente. Portanto, tratamento renal vai muito além de fazer um “sorinho”.

Se você ficou curioso a respeito da eficiência deste tratamento, convidamos a ler nosso artigo que conta a história do Orfeu e seu problema de insuficiência renal, clicando aqui.

Postagens Recomendadas
Mostrando 4 comentários
  • Hellen
    Responder

    Que bom que existem profissionais dedicados a dar uma melhor qualidade de vida aos nossos bebês! Parabéns a Dra. Viviane pela iniciativa!

  • Vera
    Responder

    Gostei demais desse assunto sobre a insuficiência renal nos gatinhos passei por isso com um gatinho de uma amiga, sofri junto com ela, é muito difícil. Que ótimo que existe alguns tratamentos pra amenizar essa doença, e proficionais competentes capazes de proporcionar “” alivio”” tanto para os gatinhos como para dos donos . 👏👏

  • Silvia
    Responder

    Tenho uma gatinha de 9 anos, que ficou doente renal em novembro do ano passado…que susto!
    Realmente é uma doença que judia muito do animalzinho e do seu tutor, então é um alento ter outras estratégias, complementares ao tratamento convencional , para amenizar os sintomas decorrentes da doença.
    Gostei de conhecer! Obrigada!

  • Karina
    Responder

    Todos os seres vivos merecem tratamentos feitos com amor 🙂 Parabens ao consultorio!

Deixe um Comentário

× Como posso te ajudar?