em Tratamentos

Quilos em excesso não contribuem somente para aquela aparência “fofa” que todos adoram e nem para as aparentemente inofensivas preguiça e sonolência. A vida moderna, com alimentação inadequada e sedentarismo, atinge diretamente o metabolismo de cães e gatos tornando-os muitas vezes obesos e sujeitos a diversas outras doenças.

Mas além da oferta excessiva de comida, incluindo petiscos, e a falta de exercício, a obesidade pode ser provocada por doenças advindas de alterações hormonais, problemas comportamentais como solidão e ansiedade e, claro, predisposição genética, como acontece com labradores e buldogues.

A castração pode também levar a um problema de obesidade porque, com a ausência de certos hormônios, ocorrem alterações no metabolismo: mais apetite com menos movimento é a combinação perfeita para os animais engordarem.

O acúmulo de gordura pode agravar problemas ortopédicos, respiratórios e cardíacos, e também estimular o surgimento da diabetes . Então vale alertar que enquanto o tipo 1 da diabetes está mais ligado à genética do animal, o tipo 2 é quase sempre desencadeado pela obesidade.

Essa doença pode ainda ser perigosa para pets braquicefálicos (que tem focinho achatado como os pugs e buldogues) porque a gordura pode se instalar em regiões que dificultam a respiração.

Outro problema que os animais obesos enfrentam é no campo ortopédico, aliás, de forma muito parecida com a obesidade em humanos.  A sobrecarga nas articulações pode provocar deformidades em patas traseiras e dianteiras, causar hérnia de disco ou agravar problemas ortopédicos já presentes. E até o fígado e o pâncreas podem ficar comprometidos com o excesso de gordura no corpo.

O que fazer?

O veterinário endocrinologista é o mais indicado para esse tipo de problema e antes de prescrever qualquer dieta, ração medicamentosa ou tratamento ele irá solicitar uma série de exames para avaliar o animal além da obesidade, verificando se existem complicações ou outras doenças instaladas.

Na Clínica Integrativa Pet, de SP, além de especialistas na área endócrina, os pets contam com a medicina veterinária integrativa, isto é, que combina tratamento alopático com terapias complementares, prescritas a partir da análise minuciosa dos sinais físicos e emocionais dos animais, levando também em consideração o ambiente em que vivem e com quem vivem.

Nenhuma dieta deve ser instituída sem avaliação profissional e muito menos deve-se privar o animal de comida ou mudar bruscamente sua alimentação. Os gatos, inclusive, são particularmente sensíveis a mudanças repentinas na nutrição e não podem ficar muitas horas sem se alimentar com risco de desenvolverem severas doenças hepáticas.

A Alimentação Natural (AN) pode ser uma boa aliada no tratamento de obesidade primária. A Clínica Integrativa Pet oferece consultoria em AN combinando-a com alguns nutracêuticos que beneficiam o funcionamento metabólico. Não tem receita padrão. A prescrição é específica para a necessidade de cada paciente.

Em geral, o tratamento da obesidade inclui também caminhadas e exercícios. Cães devem passear ao menos 20 minutos por dia e esse tempo pode ir aumentando conforme o animal adquirir mais resistência e, obviamente, puder ser exposto a um maior esforço. A hidroesteira é outra opção para perder os quilinhos extras e muitos cães gostam dessa atividade. Aumentar as brincadeiras dentro de casa é outra ação aconselhável tanto para gatos quanto para cães.

Seguindo os péssimos hábitos do tutor

A Universidade de São Paulo (USP) estima que até o ano 2000 o sobrepeso atingia 20% dos cães da capital paulista, mas essa porcentagem pode ter dobrado nos dias de hoje. Dos 286 cães avaliados pela USP, 40% mostraram excesso de peso.  A pesquisa revelou ainda que mais de 75% dos bichos obesos viviam com pessoas que tinham hábitos alimentares inadequados ingerindo muitas guloseimas durante o dia.

Nos Estados Unidos, um levantamento feito em 2014 pela Association for Pet Obesity Prevention, apontou que 63% dos cães e 67% dos gatos domésticos estavam acima do peso e, pelo menos metade de cada grupo, já desenvolvia problemas devido à obesidade.

A pesquisa mostrou que cães como basset hounds, beagles, cocker spaniels, dachshunds e labradores têm maior predisposição genética, no entanto, a exemplo dos resultados obtidos em SP, constatou-se também que a grande maioria dos animais obesos viviam com tutores de péssimos hábitos alimentares e que dividiam as guloseimas (humanas) com seus pets.

 

Postagens Recomendadas
Mostrando 5 comentários
  • Dante polycarpo
    Responder

    E extremamente perigoso para a saúde de nossos animaizinhos a obesidade pois os únicos culpados somos nós com muitas bolachinhas biscoitinho bifinho e comidas que damos quando estamos comendo depois são eles que pagam a conta.

  • Camila
    Responder

    Tenho um gato obeso, será que meus hábitos alimentares são péssimos? Haha. Vou seguir as dicas e levá-lo para fazer os exames!

  • Karina
    Responder

    Tenho muito interesse em alimentação natural! Eu adoro as matérias de vocês, vocês podiam fazer uma sobre alimentação natural no futuro, que tal?

  • Rosemary
    Responder

    É tentador oferecer comidinhas humanas quando eles olham pra gente com aquela carinha de pidão….principalmente quando estamos comendo e eles só esperando aquele pedacinho…. devemos claro, termos muito cuidado…. ótimas dicas…. vou mudar alguns hábitos…..🙁

  • Lívia de Freitas
    Responder

    Excelente!!!

Deixe uma resposta para Rosemary Cancelar resposta

× Como posso te ajudar?