em Tratamentos

Nos animais as alergias podem ter várias origens, desde o contato com certas substâncias químicas até a simples picada de uma pulga. Mas descobrir por qual alimento um animal tem alergia é realmente um desafio. Isso porque um cachorro ou gato pode desenvolver a dermatite trofoalérgica ou hipersensibilidade alimentar por qualquer coisa que ele coma, seja de preparo caseiro ou industrial.

É como procurar agulha num palheiro, conforme o antigo ditado popular. E para deixar esse quebra-cabeça ainda mais complicado, as reações adversas podem ocorrer instantes depois de ingerir o alimento, horas depois ou até mesmo meses depois dificultando a identificação do agente causador.

A hipersensibilidade alimentar pode ocorrer em qualquer faixa etária, porém é mais frequente nos jovens. No caso de cães, qualquer raça está sujeita a esse problema, mas há uma prevalência em SharPei, West Highland White Terrier, Boxer, LhasaApso, Pastor Alemão e Golden Retriever.

A mucosa intestinal possui uma barreira composta por enzimas digestivas e imunidade celular que ajuda grande parte dos animais a não desenvolverem hipersensibilidade alimentar, no entanto, em alguns cães e gatos essa tolerância a uma gama imensa de proteínas pode falhar e causar o problema.

Nos cães, como consequência, surgem sintomas como prurido acompanhado ou não de lesões cutâneas principalmente nas orelhas, patas, região axilar e face. As lesões podem ser em forma de alopecia (perda do pelo), escamas, crostas, escoriações, hiperpigmentação e ulceração.

Nos gatos o prurido aparece principalmente na face e região cervical. Estudos mostram que em 10% dos casos podem surgir sintomas gastrointestinais como diarreia, vômito, flatulência, perda de peso, prurido anal, inapetência e dor abdominal. Muitos cães também apresentam otite (uni ou bilateral).

Embora seja bastante complexo o processo para detectar o ingrediente alérgeno, os mais identificados em cães são o leite, carne bovina, frango, ovos, cereais, peixes, soja e derivados do leite. Em gatos especialmente produtos enlatados, peixe, leite e derivados.

E como descobrir o mistério? Exames hematológicos e bioquímicos não ajudam nos casos de hipersensibilidade alimentar. A primeira coisa é descartar outros tipos de alergia como de insetos ou provocadas por fatores ambientais.

Havendo suspeita de hipersensibilidade alimentar, o método mais comum para identificar a causa do problema consiste na chamada “dieta de eliminação”, com duração entre 6 e 8 semanas.

O veterinário faz a listagem de todos os alimentos e petiscos oferecidos ao animal e vai restringindo seu consumo. Vale lembrar que, além dos alimentos propriamente ditos, é preciso restringir acesso aos brinquedos mastigáveis e suplementos vitamínicos.

Ao mesmo tempo é incluída uma fonte de carboidrato e de proteína que o bichinho nunca consumiu, livre de corantes e conservantes. Em seguida é feito um procedimento conhecido por “exposição provocativa” em que o animal vai sendo novamente exposto a antigos alimentos para que o veterinário observe se seu quadro piora.

Entre as soluções mais comuns para conter a hipersensibilidade alimentar está a adoção de dietas comercias hipoalergênicas ou caseiras suplementadas com vitaminas, minerais e ácidos graxos, mas sempre sob a orientação de um profissional.

É o que faz a veterinária Viviane Reis, da Clínica Integrativa Pet: “Geralmente faço dietas de exclusão e depois vou introduzindo aos poucos outros alimentos e testando. Quando o tutor aceita receito dietas caseiras e tenho observado grandes melhoras nesses casos”.

A veterinária ainda aplica terapias complementares: “Gosto também de Ozonioterapia para tratar casos com lesões na pele. E indico muito o trabalho conjunto com a nossa dermatologista para controle da parte alopática”.

A cadelinha Kirei passou por um tratamento veterinário integrativo que combinou alopatia com terapias complementares como a ozonioterapia, usada para suas lesões de pele. Veja a matéria AQUI

Postagens Recomendadas
Mostrando 2 comentários
  • Rosemary polycarpo
    Responder

    Sempre apoio duetas caseiras….. nada como uma comidinha de verdade….. muitos pets comem errado…. a orientação do profissional nesses casos de hipersensibilidade alimentar é a mais correta … sempre!👍🏼

  • Hellen
    Responder

    Muito interessante! Tenho vontade de introduzir dieta caseira para meus gatos, mas preciso de uma orientação profissional . Para isso , aguardo a melhora do quadro pandêmico…
    E mais uma vez, a ozonioterapia está presente no tratamento! 👏👏👏

Deixe um Comentário

× Como posso te ajudar?